OS MELHORES DOCUMENTÁRIOS DE FUTEBOL

Futebol é uma paixão mundial, leva milhões a acompanharem diversos times jogarem, seja no estádio, seja dentro de suas casas ou em bares.

O esporte em seus anos de prática possui grandes histórias e muitas delas são contadas em obras audiovisuais.
Aqui, deixo e escalação dos melhores documentários sobre futebol, de 1 a 11, como manda o figurino.

1- Once in a Lifetime: The Extraordinary Story of the New York Cosmos [2006]

Narrado por Matt Dillon e nomeado ao Writers Guild of America pelo seu roteiro, o documentário mostra a ascensão do futebol nos Estados Unidos, muito ligado ao New York Cosmos, e o investimento que foi lhe dado pelo magnata e multi atuante no ramo do entretenimento: Steve Ross.

Maravilhado pela final da Copa do Mundo de 1966, Ross se torna ativo num ramo esportivo considerado morto nos Estados Unidos, o futebol. Com a criação da equipe do New York Cosmos em 1970, os americanos foram apresentados ao soccer, que não obteve quase nenhum impacto com o público até 1975, onde fora contratado para jogar nos horríveis e irregulares gramados americanos o maior e melhor jogador de todos os tempos: Pelé.

O público lotava os estádios e a maioria assistia futebol pela primeira vez, tudo para testemunhar o Rei do Futebol em ação; o impacto de Pelé nos Estados Unidos é algo que é sentido e observável até os dias atuais.
O documentário conta com depoimentos de todos os envolvidos na milionária montagem do time de futebol que ensinou os americanos a gostarem deste esporte. Também contando com a inclusão de grandes astros internacionais da bola contratados para o time como o icônico zagueiro alemão, um dos maiores de sua posição, Franz Beckenbauer, o polêmico artilheiro italiano Giorgio Chinaglia e o lateral-direito capitão da seleção brasileira de 1970, o melhor time de todos os tempos, Carlos Alberto Torres.

O longa é muito bem editado e conta com proeza os trâmites por trás das quatro linhas e as várias partes envolvidas nas transações milionárias, além de escancarar relações conturbadas entre partes do clube e diretoria.

Aqui aproveito também para indicar Todos os Corações do Mundo (Two Billion Hearts), documentário de 1995 dirigido pelo carioca Murilo Salles sobre a Copa do Mundo de 1994, realizada nos Estados Unidos. Além de detalhar intimamente dentro de campo os grandes feitos dos jogos mais importantes, o filme também se divide em mostrar os diferentes públicos das diferentes nações envolvidas, e, consequentemente, o público americano; se dividindo entre apoiar a sua seleção e entre ter total ignorância do evento que está acontecendo no seu país.

2- Nossa Chape [2018]

O time da cidade de Chapecó, Santa Catarina, estava fazendo uma campanha histórica na segunda maior competição da América do Sul, chegando à final da Copa Sul-Americana, a delegação viajava para realizar o primeiro jogo da final, contra o Atlético Nacional da Colômbia.

O jogo nunca aconteceu, o avião que levava a delegação caiu na madrugada do dia 28 de Novembro de 2016 e deixou apenas quatro sobreviventes.

Nossa Chape (Our Chape) acompanha a reconstrução do clube contando com acesso exclusivo ao novo time, familiares dos falecidos e os três jogadores sobreviventes – o zagueiro Neto, o goleiro Follmann e o lateral-esquerdo Alan Ruschel.

Ganhador de dois prêmios (Melhor Filme no Festival de Los Angeles e Prêmio de Prata no Spotlight Documentary Film Awards) o longa mostra uma cidade e um clube dividido sobre como lidar com a tragédia – deve-se focar em manter a memória dos que se foram ou superar e continuar com suas vidas?

Disponível na Netflix.

3- I Believe in Miracles [2015]

Qualquer um se surpreende ao ver na lista dos campeões da Liga dos Campeões, a Champions League, o nome do atual time da segunda divisão inglesa, o Nottingham Forest, aparecer não só uma, mas duas vezes.

Também conhecido como O Milagre do Nottingham Forest, o longa mostra exatamente isso: o milagre que foi o time de Nottingham do final da década de 70. Liderados pelo lendário técnico Brian Clough o Forest conseguiu a marca de ganhar duas vezes seguidas o maior campeonato da Europa, entre outros títulos nacionais. Um feito que parecia impossível e miraculoso do então modesto time inglês.

Focando mais no título nacional de 1978 e no europeu de 1979, o documentário conta com grandes ídolos do time, jogadores que marcaram aquele esquadrão, dando seus depoimentos e grandes histórias sobre os jogos e bastidores.

O goleiro Peter Shilton, o capitão John McGovern, os laterais Viv Anderson e Frank Clark, os zagueiros Larry Lloyd e Kenny Burns, os meio campistas Trevor Francis, Martin O’Neill, Archie Gemmill e Ian Bowyer e os atacantes John Robertson e John O’Hare estrelam e detalham a incrível jornada de um equipe desacreditada, que contava com um treinador fantástico e polêmico, que fazia com que os jogadores jogassem uns pelos outros, mantendo um belo ritmo de jogo e competitividade, que levou a um – ou mais de um – milagre.

4- Inacreditável: A Batalha dos Aflitos [2006]

Se contar para alguém que nunca ouviu essa história esse alguém irá achar inacreditável, literalmente impossível de se acreditar. E ela é. Só se acredita porque aconteceu. Essa é a história da Batalha dos Aflitos, o jogo onde um time com apenas sete jogadores em campo, com o placar zerado, fora de casa, com um pênalti contra, acaba ganhando o jogo e se sagrando campeão.

O centenário campeão mundial, continental, nacional, regional e municipal Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense, um dos gigantes do futebol sul americano, se encontrava no pior momento de sua história. Rebaixado para a segunda divisão nacional o time começa o ano de 2005 com apenas sete jogadores no seu plantel, sendo 3 deles goleiros, além disso ainda conta com enormes problemas financeiros, não obtendo nem patrocinador esportivo para fornecer uniformes.

A campanha da segunda divisão é árdua e irregular mas o time chega ao quadrangular final e no
último jogo contra o Náutico em Pernambuco, precisa apenas do empate para subir de volta à elite nacional. Inacreditável mostra os pontos de vista de gremistas de dentro do campo e fora dele, baseado em algo mais estranho que a ficção, mais inacreditável que o impossível, mas que aconteceu, quem viu não esquece, e pra sempre estará marcado.

Disponível no NetMovies e Looke.

5- The Class of ’92 [2013]

A Turma de 92 é alusivo aos 6 jogadores oriundos das categorias de base do Manchester United que adentram ao time principal cujas jornadas culminam no título europeu de 1999.

O documentário acompanha a jornada de Nick Butt, David Beckham, Gary Neville, Paul Scholes, Ryan Giggs e Phil Neville começando como calouros e desconfiados e terminando com suas consagrações com o triplete de 99.

Cada personagem tem seu momento de apresentação e suas origens são conhecidas assim como seus trejeitos e aspectos de vida. Mostra todo o contexto local histórico, com a cidade de Manchester borbulhando de novas ideias, em ramos como moda e música, influenciados também pelo bom momento do time vermelho local.

O Manchester United conta com uma tragédia no seu passado, em 1958 um trágico acidente aéreo que fatalizou oito de seus jogadores, que formavam o time mais jovem a ganhar um Campeonato Inglês, conhecido como “Busby Babes” em alusão ao técnico Sir Matt Busby. Existe o filme denominado United de 2011 com David Tennant e Dougray Scott que conta essa história; também o documentário Busby de 2019 que foca na trajetória do lendário treinador.

O maior trunfo e core de The Class of ’92 não é mostrar a consagração no espetacular jogo da final da Liga dos Campeões – uma virada histórica contra o Bayern de Munique; mas sim o nos apresentar o aspecto de amizade e camaradagem mostrados pelos 6 garotos de diversas origens que acabam por jogar no mesmo time, se tornando a espinha dorsal de um dos melhores times dos últimos tempos.

6- Bo66y [2016]/ Kenny [2017]/ Make us Dream [2018]

Aqui, coloquei três documentários numa mesma posição, por se tratarem de um estilo biográfico, se baseando em uma figura central. Claro que existem outros desse estilo, mas escolhi esses três jogadores britânicos para representar as biografias nessa lista.

Bobby Moore: lenda doWest Ham United, um dos maiores ídolos do futebol inglês, por ser o capitão da única seleção inglesa campeã do mundo, a de 1966.

50 anos depois nesse documentário de Ron Scalpello (My Name is Lenny, Sob Pressão), é celebrada a conquista da vitória e desvendada a verdade por trás de Bobby Moore, que lidou com altos e baixos em sua carreira. Bobby lutou muitas batalhas em sua vida além das travadas nos campos de futebol, acabou morrendo cedo e sua história é contada por seus amigos próximos, suas duas esposas e torcedores.

Amigos como Pelé, Sir Geoff Hurst, Harry Redknapp, Ray Davies, Ray Winstone e Russell Brand, e mais 30 outros, cujos relatos se entrelaçam com imagens de arquivo até então nunca vistas antes.

Não se baseando na coroação do título em si, de 1966, Bo66y se baseia mais no seu futebol, na sua família, nas suas ideologias e no seu estilo de vida. Tudo aquilo por trás dos gramados que levaram um homem a se tornar um ícone e uma lenda. No detalhamento de momentos pessoais e tocantes que deixa o público com sentimento íntimo e triste, revelando como era a figura do jogador antes de sua morte em 1993, com 51 anos.

De 2017, Kenny conta a história do escocês Kenny Dalglish, considerado um verdadeiro mito na cidade de Liverpool, chamado de King Kenny. Jogando pelo time homônimo da cidade, Kenny chega para substituir seu xará Kenny Keegan, adorado pela torcida, e nos seus 15 anos de clube o escocês conquistou nada menos que 27 títulos. Sendo três Liga dos Campeões e oito Campeonatos Ingleses.

A camisa 7 de Keegan é passada para Dalglish, assim como a responsabilidade de protagonismo. Mesmo com Dalglish sendo capitão da seleção escocesa e já reconhecido internacionalmente pelas suas glórias com o time do Celtic, o jogador chega com desconfiança da torcida, precisando se provar no campo.

As glórias como jogador são contadas intimamente por Kenny, assim como pela sua família, asssim como relatos de companheiros do lendário time de Bill Shankly, como Bruce Grobbelaar e Alan Hansen. Kenny Dalglish ainda tem sua carreira como técnico no próprio Liverpool, também levando o time à glória de competições nacionais.

Um acidente grave, o desastre de Hillsborough, que aconteceu durante uma partida do Liverpool, com Kenny de técnico, serve como link para o próximo documentário: Make us Dream.

O acidente de Hillsborough – contado no documentário Hillsborough de 2016 – fatalizou 96 torcedores do Liverpool que estavam no estádio, incluindo um colega do time júnior do clube do então com 9 anos, Steven Gerrard.

Gerrard é sinônimo de Liverpool, o jogador é criado na categorias de base do clube e jogou 17 anos pelo clube, totalizando mais de 500 jogos. Make us Dream conta a história de seu começo, de seus primeiros jogos, de sua identificação com o clube, principalmente do seu amor incondicional que levou à sua permanência mesmo nas piores situações, e nas ofertas mais tentadoras de outros clubes para tirá-lo de lá nos seus melhores momentos.

Toda a trajetória se paga na fantástica campanha na Liga dos Campeões da temporada 2004/05, onde numa final histórica contra o Milan, o Liverpool ganha nos pênaltis o título europeu, o mais importante da carreira de Gerrard.

Disponível na Amazon Prime Video o documentário de Sam Blair (Keep Quiet, Maradona ’86, Personal Best, High/Low) é dinâmico, didático, emocional e íntimo, contando com relatos de Michael Owen, que começou com Gerrard no time principal, sendo companheiros de base, Jamie Carragher além do próprio Kenny Dalglish.

7- The Two Escobars [2010]

Jeff e Michael Zimbalist, antes de realizar o documentário previamente citado Nossa Chape, contaram a história de Andrés Escobar e Pablo Escobar, os dois Escobares do título.

Pablo Escobar era o chefão de crime mais rico e poderoso do mundo, comandando seu Cartel de Medelín e financiando o futebol colombiano. A seleção do país estava em boa fase, e ia jogar a Copa do Mundo, sediada nos Estados Unidos, em 1994, comandada pelo zagueiro Andrés Escobar, natural de Medelín, símbolo do Atlético Nacional, capitão da seleção e do time, conhecido como ”cavalheiro do futebol”.

A Colômbia jogava no grupo A, com Estados Unidos, Romênia e Suíça. Na estreia, derrota para os romenos, de 3×1. No segundo jogo, já decisivo para seu futuro, a seleção perde para o time da casa de 2×1, o primeiro gol sendo de Andrés Escobar, um gol contra. A Colômbia foi eliminada na fase de grupos e Pablo Escobar não gostou nada disso.

Para os colombianos o futebol é mais que um jogo, a identidade nacional depende e varia com sucesso ou fracasso de sua seleção.

O documentário com relatos de María Ester Escobar, Alexis García, Jaime Gaviria Gómez, Francisco Maturana, mostra de forma expandida o universo colombiano, envolvendo drogas, tráfico, violência, mortes, e futebol.

8- Take the Ball, Pass the Ball [2018]

O futebol tem tido grandes times jogando com excelente forma tática recententemente, ganhando títulos assim, e alguns times encantam, outros apenas ganham, mas poucos conseguem os dois. Agora, implementar um estilo copiado pelo mundo inteiro, somente Pep Guardiola e seu Barcelona conseguiu.

Claro, o estilo do espanhol, veio de Rinus Michels com o Carrossel Holandês, a Laranja Mecânica, a seleção da Holanda, principalmente de 1974, cujo craque do time Johan Cruyff, trouxe o estilo neerlandês à Catalunha, quando foi técnico do Barcelona.

O estilo é implementado desde as categorias de base, os jogadores formados no clube já entram pro grupo profissional sabendo como que o time principal joga, tendo experiência de jogar no mesmo esquema. Esse resgate e aproveitamento máximo da herança holandesa, só veio com o ex volante do clube, Pep Guardiola.

Mais do que mostrar o time campeão, suas peças, os relatos dos jogadores sobre jogos marcantes, o documentário foca no lado tático da equipe. O foco do trabalho de Guardiola é o desempenho, é o posicionamento, a realização das jogadas treinadas, tudo isso acima do resultado, e isso é espelhado no filme.
Take the Ball, Pass the Ball: The Making of the Greatest Team in the World conta com depoimentos de craques, muitos deles chegaram ao auge de suas carreiras nessas quatro temporadas com Guardiola. Éric Abidal, Daniel Alves, Sergio Busquets, Dmytro Chygrynskiy, Samuel Eto’o, Eidur Gudjohnsen, Thierry Henry, Xavi Hernández, Andrés Iniesta, Javier Mascherano, Lionel Messi, José Manuel Pinto, Gerard Piqué, Carles Puyol e Victor Valdés contam como foi se adaptar – ou não – ao estilo de Guardiola, aceitar suas críticas, superar os jogos ruins, entender os ensinamentos e, assim, construir um dos maiores e melhores times de todos os tempos.

9- Puskás Hungary [2009]

A seleção da Hungria encantou o mundo pela sua participação na Copa do Mundo de 1954, na Suíça, com o time desfilando grandes partidas e goleando adversários com diferenças de 7, 9 gols, inclusive eliminando o Brasil nessa edição por 4×2, nas quartas de finais.

Após passar, também por 4×2 pelo Uruguai a seleção perde a final para a Alemanha Ocidental de Fritz Walter, Horvath e Rahn por 3×2.

Apesar de não conquistar o título o time comandado por Ferenc Puskás, um dos melhores jogadores de todos os tempos, se tornou muito admirado pelos fãs de futebol e é lembrado até hoje.

O documentário conta a história de Puskás, um garoto da cidade de Kispest, que se tornou craque de sua seleção e de um dos maiores times do mundo, o Real Madrid, jogando também até pela seleção espanhola, tamanha admiração dos fãs madrilhenhos.

É uma história espetacular, excitante e emocionante que fala do amor de Puskás ao futebol, ao qual jogou 20 anos e ainda dedicou-se como técnico, sendo admirado por vários países ao redor do mundo, chegando ao sucesso, podendo aprender novas culturas e espalhar sua técnica brilhante graças ao futebol.

Mais do que uma biografia o longa conta como um menino se torna um símbolo nacional, o mais famoso dos húngaros, sempre levando sua nação no coração com muito amor e lembrança pela sua pátria.

10- Les Bleus: Une Autre Histoire de France [2016]

Disponível na Netflix, esse ótimo documentário francês segue a trajetória da seleção nacional por 20 anos, de 1996 a 2016, onde o time joga duas finais de Copa do Mundo, sagrando-se campeão na edição de 1998, sediada na própria França.

Os sucessos e fracassos do time são refletidos na sociedade francesa, com tramas sociais, históricos e culturais sendo contexto para o futebol francês e vice-versa.

Destacando os pontos altos e baixos da seleção nos 20 anos, jogadores vem e saem, com fases boas e ruins, comandados por distintos técnicos de diferentes personalidades.

Com o triunfo da última Copa do Mundo, em 2018, esse documentário se torna mais importante para entender a jornada da seleção do time para culminar no título que coloca a segunda estrela acima do galo bordado na camiseta azul.

Os fracassos e desconfiança da torcida, a tentativa de reerguimento, de renovação de um time cujo país espera poder abraçar e se identificar, com todas as cores, oriundos de diferentes lugares do planeta.
Contando com depoimentos de Lilian Thuram, Robert Pirès, Youri Djorkaeff, Éric Cantona, Sidney Govou, Jean-Alain Boumsong, Rio Mavuba, Aimé Jacquet, Nicolas Anelka, Olivier Giroud entre outros.

Vale também checar o documentário focado na trajetória de sucesso da seleção na Copa do Mundo de 2018: Les Bleus 2018, au cœur de l’épopée Russe, com depoimentos do técnico Didier Deschamps, além dos protagonistas do título como Kylian Mbappé, Paul Pogba, Antoine Griezmann e N’Golo Kanté.

11- North Korea: The Game of their Lives [2002]

A grande surpresa da Copa do Mundo da Inglaterra, de 1966 foi a seleção da Coreia do Norte, que chegou até as quartas de finais do torneio.

Se classificou em segundo de seu grupo, ganhando da bicampeã Itália, empatando com o Chile e perdendo da União Soviética, todos os jogos sediados na cidade de Middlesbrough, no Ayresome Park. Na fase seguinte, as quartas de finais, a seleção norte coreana enfrentou Portugal, e chegou a abrir 3 gols de vantagem, até que o craque do time lusitano Eusébio, ao marcar 4 gols, liderou a virada de placar para 5×3.

Os feitos históricos esportivos de uma nação que sofre com autoritarismo político, são contados pelos sobreviventes desse lendário time, que foi acolhido pela cidade operária de Middlesbrough por serem os azarões do grupo.


Um grupo de jogadores que se motivava pelo nacionalismo, carregavam o orgulho nacional ao mostrar o país ao mundo, e o mundo se apresentar à comissão, que via pela primeira vez o mundo do ocidente.
É notável que o documentário sofre uma limitação por conta dos relatos dos jogadores serem naturalmente laçados com modéstia e retórica comunista, o que impede o discurso livre e verdadeiro, que é basicamente o núcleo de um documentário.

Ainda assim, é um documentário interessantíssimo de se ver, pode-se tirar algumas reflexões políticas, sócio ideológicas e até religiosas, tudo isso partindo de um time de futebol e sua história improvável.

 

Texto disponibilizado por Mateus Casagrande.

OS MEMBROS DO CLUBE DOS RABUGENTOS SÃO MUITO FELIZES!

O site Nerd Rabugento é independente e não depende de patrocinadores para existir. E para que o Nerd Rabugento continue INDEPENDENTE, TORNE-SE MEMBRO DO CLUBE DOS RABUGENTOS!

O Nerd Rabugento não dá dica ruim e você confia nessa afirmação. Torne-se Membro do Clube, tem um valor que cabe no seu orçamento. E tem um monte de vantagens que nenhum outro Clube oferece. Mas se você não quiser se tornar membro e ainda assim quer contribuir, clique no segundo link. A sua contribuição ajuda demais o canal a se manter.

QUERO SER MEMBRO ➜     QUERO CONTRIBUIR ➜