Os deuses da série American Gods

Se você ainda não assistiu a American Gods, série da Starz que chegou ao Brasil pelo streaming da Amazon Prime Video, perde de ver uma série muito boa.

 

E se você assiste meio desavisado com certeza tem uma porção de dúvidas sobre que raio são aqueles Vikings do começo do primeiro episódio, e qual a moral daquela história em que eles começam a furar os olhos em uma praia, lá pelos idos de 813?

Quem conhece a obra literária de Neil Gaiman sabe que ele costuma flertar com deuses e personagens mitológicos, e American Gods é talvez sua mais óbvia devoção ao tema.

A premissa da série é bem simples: todos os povos que migram pelo mundo (no caso da história da série, para os Estados Unidos da América) carregam com eles seus deuses. No caso dos Vikings quem os acompanha na viagem é ninguém menos que Odin.

Acontece que deuses também tem seus problemas. Cada povo que se fixa em um novo local constituem família e nem sempre seus filhos continuam com a religiosidade de seus pais e acabam assimilando a cultura e a religiosidade local ou simplesmente deixam de acreditam em determinados deuses.

E os deuses que caem no esquecimento se tornam figuras aleatórias, pessoas comuns, que precisam sobreviver, se alimentar e pagar o aluguel de um teto para se protegerem.

E assim que seus últimos adoradores os esquecem eles desaparecem completamente.

A lista dos deuses que aparecem em American Gods:


Tot

Nome do Personagem: Ibis;
Interpretado por Demore Barnes.

O primeiro deus que a série apresenta é Ibis, também conhecido como Tot, o deus egípcio do conhecimento e da escrita. Ele é dono de uma casa funerária em conjunto com Mr. Jacquel na cidade de Cairo, Illinois. Gosta de escrever pequenos textos biográficos sobre as pessoas que levaram os seres mitológicos para a América.

Na maioria das representações tradicionais, ele tem a cabeça de um pássaro ibis, com um bico curvado longo. Este Ibis tem uma cabeça humana e óculos redondos, sem aro.

Na primeiras cenas de American Gods ele está escrevendo uma história sobre seu amigo Odin, o pai da mitologia nórdica, deus da guerra, da sabedoria e da poesia, entre outras coisas.


Odin

Nome do Personagem: Mr. Wednesday;
Interpretado por Ian McShane.

Como Odin chegou a América? De acordo com o Ibis, a aventura americana de Odin começou quando seus seguidores viking partiram da Escandinávia para uma praia rochosa dentro das fronteiras do que um dia será considerado parte da América. Quando o vento cessa e os vikings se vêem encalhados eles decidem apelar para o Viking Supremo.

Preocupados por não conseguirem chamar a atenção de Odin por estarem longe de casa, esfaqueiam seus próprios olhos esquerdos. Isso pode parecer uma maneira meio absurda de chamar a atenção de alguém, até mesmo a do Deus da Guerra, mas entenda: reza a lenda que Odin sacrificou seu próprio olho esquerdo em troca de uma água que forneceria a ele um conhecimento cósmico.

Mas isso não funciona. Eles precisam de uma oferta diferente, e Odin é o Deus da Guerra. Então eles começam a lutar entre si até a morte, e aparentemente isso funciona.

E foi assim que Odin chegou à América. Interpretado por Ian McShane, o Odin dos dias de hoje está em um balcão de uma companhia aérea negociando para pegar um bilhete de primeira classe.

Aqui ele se chama Mr. Wednesday (nos países nórdicos a quarta-feira é chamada de Onsdag, que significa “Dia de Odin“).


Rainha de Sabá

Nome da Personagem: Bilquis;
Interpretada por Yetide Badaki.

Os deuses antigos sobrevivem pela adoração das pessoas, mas não Bilquis, que aqui é uma linda mulher de vermelho que segundo o livro Deuses Americanos é meio demônio, meio jinn (gênio).

A Rainha de Sabá era adorada pela sua beleza e poder, mas agora ela faz parte do capítulo dos deuses esquecidos. No livro ela tem o papel de uma prostituta mas isso não fica muito claro na série.

Ela encontra homens, leva esses homens para o seu quarto e os devora, como se fosse um nascimento ao contrário. E após consumir seus parceiros ela surge mais jovem e ainda mais linda.


Loki

Nome do Personagem: Low Key Lyesmith;
Interpretado por Jonathan Tucker.

Se você prestar bastante atenção vai perceber que as pessoas em torno de Shadow tendem a ser deuses antigos. Por exemplo o seu parceiro de prisão Low Key Lyesmith, um jogo de palavras não tão sutil para descrever Loki, o deus nórdico da mentira que gosta do fogo e do caos.


Buffalo Man

Voz de: Ian McShane.

Um bisão gigante com fogo nos olhos que aparece durante alguns sonhos de Shadow. E não é exatamente um deus, ele é um símbolo da terra que, assim como os outros deuses, precisa da fé para sobreviver.

A relação dele com Shadow é mais profunda que podemos imaginar, seu simbolismo sobrevive entre os nativos americanos e talvez a ascendência de Shadow seja formada um caldeirão de raças, e essa seria a sua verdadeira importância na história.


Buile Suibhne

Nome do personagem: Mad Sweeney
Interpretado por: Pablo Schreiber.

Leprechauns são “duendes“, assim eles são conhecidos na América, e é assim que Mad Sweeney se apresenta. E os irlandeses tem a fama de serem mal educados, violentos e bêbados, e Sweeney segue direitinho esse perfil.

Mad Sweeney não é apenas um “duende”, ele também foi um poeta do século VII que ganhou esse nome por causa de um monarca irlandês chamado Nuile Suibhne, filho do rei de Dal Riada, um reino da Irlanda do Norte, que enlouqueceu depois de ser amaldiçoado e que só recuperou a sanidade após percorrer toda a Irlanda de norte a sul.

O nome Suibhne pode ser pronunciado como Sweeney.

Seu papel na história não começa de maneira clara, Shadow o conhece em um bar a caminho do funeral da esposa e ganha dele uma moeda de ouro que muda algumas coisas.

Um dos melhores episódios de American Gods é dedicado inteiro a Mad Sweeney.


Nenhum

Nome do personagem: Technical Boy
Interpretado por: Bruce Langley.

No primeiro episódio de American Gods Shadow parece não perceber as forças misteriosas que cercam o seu ambiente. Sua esposa morreu em um acidente e tudo o que ele quer é se despedir dela.

Após o funeral ele cruza com o ser chamado Technical Boy, que é a representação do novo deus da tecnologia e da internet, cada vez mais adorado pelas pessoas do século XXI. “Reproduzimos a realidade: A comunicação é um vírus, a religião é um sistema operacional e as orações são apenas spam”.

No livro, em 2001, Technical Boy era representado por um garoto gordo com um sobretudo e com uma Coca Diet nas mãos, como se fosse um fanboy do filme Matrix. Mas os tempos mudam e os deuses mudam com eles.

Agora ele é aquele garoto arrogante que acha que pode tudo quando está na internet, um youtuber, um gamer ou um programador do Vale do Silício que conquistou adoradores mas ainda não sabe lidar com isso.

Apesar dele ser apenas um adolescente é um deus que fica cada dia mais poderoso.


Anansi

Nome do personagem: Mr. Nancy;
Interpretado por: Orlando Jones.

Na cena inicial do segundo episódio vemos mais uma história da migração de pessoas para as Américas, neste caso dentro de um navio negreiro.

Aqui conhecemos Anansi, um personagem trapaceiro que surgiu como lenda entre os Ashanti, pessoas que viviam no país que hoje em dia é conhecido como Gana.

É representado como uma aranha e ele surge para criar conflito e acender a chama da revolta entre escravos capturados pelos holandeses em um navio no meio do Atlântico em 1697. Mais um ser mitológico que não parece se importar com o sacrifício humano quando lhe convém.


Nenhum

Nome do personagem: Mídia;
Interpretado por: Gillian Anderson.

Em um supermercado Shadow percebe que Lucy Ricardo, atriz da série I Love Lucy chama a sua atenção na tela de uma televisão na seção de eletrônicos.

Assim como Technical Boy, a Mídia é um dos novos deuses e não temos dúvida de que a adoração que ela recebe é bem forte nos dias de hoje.

A cada filme, série, show de variedades ou noticiário que assistimos, seja na TV, no cinema, no computador ou através de celulares, estamos adorando essa deusa, que é praticamente nos dias de hoje.

Tempo e atenção são melhores que sangue de cordeiro“, segundo ela.


Czernobog

Nome do personagem: Czernobog;
Interpretado por: Peter Stormare.

Quando Shadow e Mr. Wednesday chegam a Chicago encontram com Czernobog, a personificação do mal na sociedade eslava. Como Thor, Czernobog também usa um martelo, e se gaba por matar touros apenas com uma martelada na testa.

Ele lamenta pelo uso da tecnologia moderna no abate de bovinos e diz que hoje em dia qualquer macaco com um polegar pode fazer esse trabalho sujo.


A Estrela da Noite

Nome do personagem: Zorya Vechernyaya;
Interpretado por: Cloris Leachman

Czernobog vive com as irmãs Zorya, que também fazem parte da mitologia eslava, elas são as filhas do deus do sol.

Todas as noites Zorya Vechernyaya fecha os portões quando seu pai, o deus do sol, volta para casa em sua carruagem. “Nós chegamos juntos“, ela explica a Shadow, de seus acordo de vida com o desagradável Czernobog.

Zorya Vechernyaya nasceu ao anoitecer. Ela é a única das três irmãs que pode ganhar dinheiro lendo a sorte das pessoas pois é aquela que conta as melhores mentiras. Antes do jantar ela lê a sorte de Shadow na borra de café, e fica horrorizada. Mas logo depois ela diz a ele: “Você terá uma vida longa e muito feliz“.


A Estrela da Manhã

Nome da personagem: Zorya Utrennyaya;
Interpretada por Martha Kelly.

Zorya Utrennyaya não fala uma palavra durante o episódio, mas parece gostar do presente de Mr. Wednesday, uma pilha de livros de romance. Em Deuses Americanos ela é a irmã mais velha, nascida no amanhecer. Segundo a lenda, Zorya Utrennyaya é quem abre as portas para o pai, o sol, todas as manhãs. Ela também protege os guerreiros durante as batalhas.

A terceira irmã ainda dorme. As irmãs raramente estão todas acordadas ao mesmo tempo, já que são responsáveis ​​pela constante vigilância do céu da noite para que o cão do juízo final, acorrentado à constelação Ursa Major, não escape de suas correntes para devorar o mundo.


A Estrela da Meia-Noite

Nome da personagem: Zorya Polunochnaya
Interpretada por Erika Kaar.

A mais nova das irmãs Zorya Polunochnaya, a Estrela da Meia-Noite, é na verdade uma criação da imaginação de Gaiman. Quando Gaiman estava pesquisando sobre os mitos da Estrela da Manhã e da Estrela da Noite ele decidiu que seria mais legal se houvesse uma terceira estrela. E deu a ela o nome de uma música de Iggy Pop: Sister Midnight.


Anubis

Nome do personagem: Jacquel;
Interpretado por Chris Obi.

Na cena de abertura do terceiro episódio conhecemos o parceiro de Ibis no funeral de Laura Moon, o Sr. Jacquel, um sujeito tão talentoso quanto que também é originário do panteão dos deuses egípcios.

Jacquel é uma versão de Anubis, o deus da vida após a morte e seu nome é uma referência ao fato de que Anubis surgir em algumas histórias sob a forma de um chacal. Além de seu trabalho de preparar os corpos dos mortos antes de serem enterrados, Jacquel surge para guiar as almas dos mortos através do deserto do além.

Anubis pesa o mal que há no coração dos mortos. Se suas ações em vida forem mais pesadas que uma pena o seu coração é devorado por Ammit, um demônio parte leão, parte hipopótamo, parte crocodilo.


O Jinn

Nome do personagem: Ibrahim bin Irem;
Interpretado por Mousa Kraish.

Jinn é uma entidade sobrenatural que está entre o angelical e o humano.

Na série ele surge como um motorista de taxi cujos olhos são feitos de fogo, escondidos atrás de óculos de sol. Aqui o Jinn, diferente do gênio das histórias do Aladdin e não concede desejos.


Nunyunnini

Nome do personagem: Nenhum.

O quinto episódio abre com uma animação que conta mais uma migração de um deus para as Américas. Aqui uma tribo segue em direção aos continente que viria ser o americano 14 mil anos antes de Cristo.

Junto com eles há um crânio de um mamute, arrastado desde a região que seria conhecida como a Sibéria. Esse deus se chamava Nunyunnini e a tribo rezava para ele libera-los do frio e da fome.

Essa criação de Gaiman pode ter sido inspirada por Nun’Yunu’Wi, um monstro da mitologia Cherokee, mas isso não é certo. Em Deuses Americanos ele representa os deuses que foram completamente esquecidos pelas pessoas.


Nenhum

Nome do personagem: Mr. World;
Interpretado por Crispin Glover.

O novo deus da globalização, da espionagem e da constante vigilância. Foi criado a partir da obsessão dos americanos pelas teorias da conspiração.

Ele pode obter informações secretas e valiosas que teoricamente não deveriam nem existir, como por exemplo o número de parceiros sexuais que a mãe de Shadow teve durante a sua vida.

Mr. World é o líder dos novos deuses e oferece a Mr. Wednesday um acordo, ter seu nome no míssil que acabaria com a Coreia do Norte. Wednesday recusou.


Vulcano

Nome do personagem: Nenhum;
Interpretado por Corbin Bernsen.

Vulcano, o antigo deus romano do fogo e a forja, é o primeiro deus que aparece na série que não estava no livro. Gaiman criou o personagem para a série depois de uma visita a uma pequena cidade metalúrgica, que vive do aço, onde viu uma estátua de Vulcan e ouviu uma história perturbadora sobre uma série de acidentes fatais na fábrica local.

Vulcano era o deus romano do fogo, disforme, conhecido por criar armas para os deuses. Aqui ele fechou um acordo com o Mr. World e tem seu nome em balas e atos de violência armada.

É o primeiro dos deuses antigos que não se importa com orações.


Ēostre (Ostara)

Nome do personagem: Easter;
Interpretada por Kristin Chenoweth.

Para encerrar conhecemos Ostara, a deusa da primavera e do amanhecer. Ela traz renovação e conhecimento e pode, de acordo com algumas lendas, ressuscitar os mortos.

Ela é uma deusa antiga que se salvou do esquecimento ao se associar com a Páscoa, um feriado cristão. E isso explica o fato de ter diversas versões de Jesus em sua festa.

Ostara parece ter feito um acordo com os novos deuses para se manter relevante no mundo moderno, já que a antiga crença nela praticamente desapareceu.

Como diria a Mídia: “É o Darwinismo religioso: adaptar-se e sobreviver“.


Confira:

Leia também: American Gods, uma série que poderia dar errado.

Você acha que os deuses antigos ainda podem sobreviver entra os novos deuses? Deixe seu comentário.

Vamos falar de coisa boa?

O site Nerd Rabugento é independente e não depende de patrocinadores para existir. E toda contribuição que você fizer será muito bem vinda, seja com o valor que for. Com apenas um real você já ajuda e mantêm o site independente.

A independência do conteúdo do Nerd Rabugento depende de você. O seu apoio pode ser tanto mensal quanto feito apenas uma vez, com qualquer valor. Escolha um dos links abaixo e faça o site Nerd Rabugento crescer ainda mais rápido!

QUERO APOIAR ➜     QUERO CONTRIBUIR ➜