CRÍTICA: ‘GODZILLA II’, VIDA LONGA AO REI!

Godzilla II: Rei dos Monstros, com direção e roteiro de Michael Dougherty (Krampus – O Terror do Natal), é um filme grandioso para um monstro grandioso com outros monstros, ação, mais monstros e um pouco de drama humano.

 

O filme que traz de volta a épica criatura para o cinema, originalmente japonesa, estreia amanhã (30) e é um prato cheio para quem gosta de filmes destruição. Na história, a agência Monarch precisa deter vários titãs que foram “acordados” subitamente em todo o mundo, entre eles o grandioso Godzilla, que estava desaparecido.

Em meio a cenas escuras (tsc) e um draminha descartável dos humanos na história, vemos um mundo apocalíptico surgir em meio a aniquilação, quase simultânea, feita pelos lendários monstros em todos os pontos do planeta. Conseguimos ter uma ideia do quanto os titãs são gigantescos quando vemos os prédios das grandes cidades virarem miniatura perto deles.

Se no primeiro Godzilla a pouca aparição do bichinho incomoda, em Rei dos Monstros ele compensa bastante dando as caras em uma produção que excita e empolga, cumprindo majestosamente o seu papel. O arco dos humanos (dramas e resoluções) é irrelevante e chato perto da história interessante dos monstros que trazem cenas epopeicas.

A grandiosidade da produção deve (e muito) a trilha e efeitos sonoros extremamente imponentes que dão o tom das aparições e combates. Eu assisti Godzilla II em uma sessão de cinema IMAX, onde a qualidade geralmente é superior, e essa escuridão das cenas quase tirou minha atenção, por isso imagino que em um cinema comum com um óculos 3D esse problema seja ampliado. São os sons do filme, assertivos, que disfarçam isso.

Outro ponto negativo é a história ter caído em um clichê e isso ter deixado a motivação do enredo quase entediante (SPOILER: Um certo super vilão, aparentemente, influenciou outros universos). A narrativa podia ter seguido outra linha e o principal rival do Godzilla podia ser apenas um rival, sem nenhum adendo (mas isso, ok, é apenas um detalhezinho). Muitos monstros aparecem, o que não é um problema, mas seria interessante se eles tivesse sido apresentados com mais detalhes em outros filmes.

Godzilla II: O Rei dos Monstros é um filme bem divertido que faz uma homenagem a altura do grande personagem japonês criado nos anos 50 “Gojira” e vale a pena ser visto no cinema.

Ah! Tem cena pós créditos.

 

Veja o trailer:

 

OS MEMBROS DO CLUBE DOS RABUGENTOS SÃO MUITO FELIZES!

O site Nerd Rabugento é independente e não depende de patrocinadores para existir. E para que o Nerd Rabugento continue INDEPENDENTE, TORNE-SE MEMBRO DO CLUBE DOS RABUGENTOS!

O Nerd Rabugento não dá dica ruim e você confia nessa afirmação. Torne-se Membro do Clube, tem um valor que cabe no seu orçamento. E tem um monte de vantagens que nenhum outro Clube oferece. Mas se você não quiser se tornar membro e ainda assim quer contribuir, clique no segundo link. A sua contribuição ajuda demais o canal a se manter.

QUERO SER MEMBRO ➜     QUERO CONTRIBUIR ➜